sexta-feira, 26 de setembro de 2008

A Criança e a Sua Vida Rica em Ensinamentos.

Existem professores treinados em psicologia que sabem tudo da natureza humana e mesmo assim pouco tem a nos dizer. Uma criança, não sabe nada, e mesmo assim sua vida é o ensinamento mais rico do mundo. Para a criança cada dia é diferente do outro. Ou seja, a dia anterior foi o dia anterior e não faz mais parte do seu passado. O novo dia é tudo o que lhe importa. Do dia anterior a única coisa que ela traz é o que aprendeu e mesmo assim não sabe disso. Quer dizer ela não sabe que aprendeu antes como enfrentar uma situação nova do novo dia que surge a sua frente. Ela apenas enfrenta a nova situação, como se realmente fosse nova e dedica a ela toda sua energia e experiência acumulada. Os erros que ela cometeu no dia anterior, ela não lembra mais. Mas agora ela já sabe o que é errado, só não lembra onde aprendeu isso. Se lembra, não dá importância a isso. O importante é que ela já sabe como não deve fazer uma coisa que fez errado antes. No processo da descoberta de como resolver uma coisa, há imersão total. Todo o seu ser vai estar envolvido na solução daquele problema. Ela não consegue deixar para resolver depois, precisa solucionar logo aquele empecilho. Como ela não esquece, ela própria passa a fazer parte do problema. Assim o problema acaba fazendo parte dela e não sendo uma coisa separada. Sendo ela em si o problema, e como ela passa a viver 24 horas por dia com aquele problema, logo ela o compreende e assim ele, o problema, deixa de existir. Solucionado o problema, ela imediatanente o descarta da sua vida. Ou seja, aquilo não será mais visto por ela como problema, não importa quantas vezes mais ela o encontre daí pra frente. Na busca de uma solução, como ela não tem conhecimentos sofisticados e a capacidade de complicar, suas soluções são as mais simples e diretas possíveis. Ela costuma, baseada num problema encontrado, brincar com o problema durante sua busca de uma solução. Então, problema para uma criança, na maioria das vezes, não são problemas de fato, são uma necessidade básica de aprendizado e motivação. Ambientes que não ofereçam desafios e problemas, não tem a menor graça para elas. Ou seja, problema para elas é quase como se fosse diversão pura. No processo de busca de uma solução, ela desiste milhares de vezes, tenta milhares de vezes, mas desistir de verdade, isso ela nunca faz. Um novo dia para uma criança, é de fato um novo dia. Esse novo dia não faz parte do dia anterior. É comum as crianças, brincarem com seus velhos brinquedos como se nunca os tivesse visto antes. Pessimismo para uma criança é, ver a mãe ou o pai triste, irmão, amigo ou outra criança doente, adultos com problemas que fazem questão de externá-los na sua presença. Otimismo para uma criança é, ver um adulto com problemas sorrindo, outra criança doente sorrindo, pessoas da família tristes mas sorrindo. No seu mundo, existem apenas dois tipos de problemas, aqueles que devem ser enfrentados não importa a situação daquele momento e aqueles que devem ser esquecidos se não são importantes naquele momento. Uma criança quando fica ou está doente, não sabe que ficar doente é ruim. Ela sente os efeitos físicos da doença, mas ela planeja seu futuro como se não existisse obstáculo algum à sua frente. Ela planeja seu dia seguinte como se nada estivesse acontecendo. Não desanima em momento algum, sabe na sua simplicidade psicológica que doença e saúde não estão separadas, tudo é uma coisa só. É muito importante notar que ela nunca diz: "Se eu ficar boa...", e sim "Amanhã quando eu melhorar eu vou fazer isso e aquilo...". Também ela ainda não teve tempo de desenvolver o apêgo às coisas, assim medo e insegurança não existe em seu mundo simples. Seu mundo se resume a duas coisas; O dia que ela está disposta para brincar e o dia que não está. Desse modo ela não vê doença e saúde como coisas distintas. Uma criança, tem a capacidade excepcional de guardar para sempre os bons momentos e usá-los como experiência pelo resto de sua. Tem também a capacidade de guardar para sempre os maus momentos e usá-los como experiência pelo resto de sua vida. Tem também a capacidade de não Ter saudade ou lembrança mórbida nem de bons nem de maus momentos. Ela não conta os dias que já viveu ou ainda vai viver. Isso não tem a menor importância. Como ela não baseia sua vida nisso, quer aprender sempre e todos os dias. Ela sequer sabe o que vai fazer com o que aprende ou vai aprender, simplesmente ela quer aprender mais e mais. Se ela vai Ter tempo para usar o que está aprendendo ou vai aprender, não faz parte do seu pensamento. Viver para ela é uma coisa muito simples. Ela pensa, amanhã eu faço de novo. Nunca diz, amanhã eu tento de novo, ou diz, será que isso vai dar certo amanhã..?. Incerteza para ela é só uma palavra cujo significado ele desconhece. Fazer, não fazer, tentar e tentar mais, para ela é a mesma coisa. O dia para uma criança, não tem o limite de oito ou vinte e quatro horas. Para uma criança o tempo cronológico não existe. Para uma criança o ano todo é igual a um dia. Noite e dia é a mesma coisa. A diferença é que uma parte é clara e tem sol e a outra não. Apenas o tempo psicológico faz parte de sua vida. E tempo psicológico não trabalha dentro dos ponteiros de um relógio. O tempo psicológico é toda sua vida naquele único minuto ou instante.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

Maletinha da semana da Criança...

Esta é da net. Vi, gostei e copiei...A dos alunos será com o tema da Festa.
 
Posted by Picasa

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

PRIMAVERA

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega. Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores. Há bosques de rododentros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende. Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol. Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz. Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação. Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvi­dos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou. Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor. Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

domingo, 21 de setembro de 2008

Lembrancinhas e surpresas...

Cronograma da Semana das Crianças

Na Semana da Criança o Planejamento é diferenciado e organizado de forma que a Criança participe ativamente das atividades preparadas pelo professor. Organizo Brincadeiras, Rodas de leitura, Jogos, Passeios e Surpresas para as crianças. Este ano o tema será "As delícias da Fazenda", proposto por nossa coordenadora. Eu, adorei!!! Já estou preparando lembrancinhas surpresas para a criançada... O passeio será um uma bela Fazenda, onde iremos fazer um pique-nique, caminhadas e conhecer os bichinhos que lá habitam. Espero que todos gostem! Beijokas...

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Dia das Crianças!!!

O dia da Criançada está chegando...Estou muito animada e cheia de idéias para fazer da Semana da Criança, uma semana diferente e especial! Logo estarei postando o cronograma da semana e lembrancinhas para meus pimpolhos...

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Como está o tempo???

Olá pessoal!!!!!!!!!!!!

Bom dia! Sei que andei um pouco sumida, não fiz postagens esta semana...Mas o motivo é bem justo. Estava super envolvida com os preparativos iniciais da Festa do Livro da minha turminha. A coordenadora, os pais e eu estamos preparando uma festa bem bonita, para comemorarmos a conquista da Leitura e da Escrita. Apesar de estar longe, temos que nos organizar e começar os preparativos. Estamos super animadas e cheia de idéias. Sem falar na paixão de executar tudo isso, nós adoramos... Prometo fazer mais postagens e adicionar mais fotos.Ok??? Beijokas!!! Tia Mirele